A Influência da Medicina do Estilo de Vida na Saúde das Mulheres.

Diversas condições médicas são mais frequentes nas mulheres, quando comparadas aos homens e abordagens específicas da Medicina do Estilo de Vida são fundamentais, como a base da saúde da mulher nas diferentes fases de suas vidas, trazendo melhoras significativas no bem estar, vitalidade e qualidade de vida. 

Osteoporose:

Medidas de estilo de vida na adolescência, que suportam o pico de massa óssea, pode reduzir o risco futuro de osteoporose, quedas e fraturas. As medidas incluem fontes dietéticas de cálcio, como folhas verdes, exercícios, evitar fumar e consumo de álcool.

Câncer de mama:

O câncer de mama é o câncer mais diagnosticado em mulheres. Uma em cada oito mulheres desenvolverão câncer de mama invasivo ao longo da vida. Prevenir a obesidade e inflamação crônica por meio de exercícios e um padrão alimentar baseado em frutas, vegetais, reduzindo carboidratos refinados e gorduras saturadas, reduzindo ou eliminando o consumo de álcool auxilia na prevenção do câncer de mama e aumenta a expectativa de vida das mulheres já com diagnóstico confirmado.

Transtorno de humor e doenças autoimunes:

Ansiedade, depressão e doenças autoimunes são mais frequentes em mulheres. A produção flutuante dos hormônios sexuais femininos modula a suscetibilidade das mulheres ao estresse, estrutura e função cerebral, reatividade imunológica e inflamação, afetando os transtornos de humor e doenças autoimunes.

Um padrão alimentar mediterrâneo rico em frutas e vegetais coloridos, ervas, especiarias e ácidos graxos ômega-3 está associado à redução da inflamação, provavelmente em parte por meio de efeitos benéficos na diversidade microbiana intestinal e na permeabilidade intestinal. Exercícios, modalidades como meditação para lidar com o estresse e garantir qualidade e quantidade adequadas de sono podem ajudar tanto o humor quanto a ativação autoimune por meio de mecanismos anti-inflamatórios.

Doenças Cardiovasculares:

As mulheres apresentam maior prevalência de infarto do miocárdio e isquemia com doença arterial coronariana não obstrutiva após a menopausa. Abordar fatores de risco como hipertensão e diabetes com estratégias de estilo de vida como perder peso, parar de fumar, dieta rica em fibras com frutas e vegetais, exercícios melhoram a microcirculação coronariana.

Síndrome da Apneia do Sono:

Apneia do sono é uma condição subdiagnosticada em mulheres por serem mais propensas em minimizar os roncos e os questionários de rastreamento tem menor sensibilidade nas mulheres. Elas têm maior probabilidade de apresentar cefaleia matinal, fibromialgia, sintomas de insônia e ansiedade ou depressão, em oposição a respiração ofegante ou se engasgar durante o sono. Apneia do sono tem maior associação com síndrome do ovário policístico, resultados adversos da gravidez, resistência à insulina, ganho de peso e demência. Identificar e encaminhar mulheres para avaliação e tratamento é um componente importante da medicina do estilo de vida.

Gravidez:

A medicina do estilo de vida desempenha um papel importante na saúde reprodutiva, pois o impacto sobre as mulheres antes da gravidez não afeta apenas a saúde materna, mas também a saúde de seus filhos ao longo de toda a vida. O impacto do estilo de vida materno durante o início da gravidez pode afetar o desenvolvimento do feto em uma variedade de processos biológicos fundamentais conhecidos como epigenética. A epigenética pode afetar as células ovarianas fetais e assim a saúde dos futuros netos. O apoio do marido no estilo de vida pode influenciar positivamente ou negativamente nesse processo.

Suplementações vitamínicas, como ferro e ácido fólico são altamente prescritos antes e durante a gravidez. Muitas vezes faltam fontes de alimentos naturais e integrais desses nutrientes necessários, com déficit de fibras, frutas frescas e vegetais. A melhora da qualidade da dieta melhora a fertilidade, como diminui o risco de resultados adversos na gravidez.

As alterações fisiológicas da gravidez podem levar à resistência à insulina e hipertensão, aumentando o risco na gravidez e de desenvolvimento futuro de hipertensão e diabetes. É importante as orientações adequadas durante o pré-natal e cuidados pós parto para fornecer os cuidados necessários para o surgimento dessas condições relacionadas ao estilo de vida.

O período pós-parto também é um momento em que as pressões de cuidados com os filhos estimulam o comportamento sedentário, fazendo com que as mulheres não façam exercícios suficientes.

A qualidade e duração do sono diminuem na gravidez e no período pós-parto. A síndrome das pernas inquietas é uma causa frequente de insônia em mulheres e atinge quase um terço de todas as mulheres grávidas. A síndrome está associada a baixos níveis de ferro e folato. Os pacientes devem ser informados de que fontes naturais desses nutrientes à base de plantas podem diminuir seus sintomas e a insônia resultante.  Apneia do sono aumenta com as mudanças fisiológicas da gravidez e tem sido associada ao início da pré-eclâmpsia, mais uma vez permanece subdiagnosticada e tratada.

Fonte:

Geyer C, McHugh J, Tollefson M. Lifestyle Medicine for Women: The Time Is Now! American Journal of Lifestyle Medicine, 2021;15:366-373. doi.org/10.1177/15598276211004233

Editado por Dra Viviane Porangaba. Médica Fisiatra e Certificada em Medicina do Estilo de Vida.

Dra. Viviane Porangaba

Dra. Viviane Porangaba. Médica Fisiatra. Membro da Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação. Médica Fisiatra do Centro Especializado de Reabilitação da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas. Mestre em Ciências da Saúde pela UFAL. Certificação em Medicina do Estilo de Vida pelo Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo e Vida e American College of Lifestyle Medicine. Instagram: @dravivianeporangaba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.