Como eliminar a gordura do fígado?

Doença Hepática Gordurosa, ou Esteatose Hepática, é o nome dado ao acúmulo de gordura no fígado, que é atualmente a principal doença do fígado nos países industrializados ocidentais, presente em até 30% da população mundial. É detectada principalmente a partir dos 40 anos de idade, porém tem sido encontrada cada vez mais cedo em adultos jovens e até em crianças.

É chamada de epidemia silenciosa porque nas fases iniciais pode não haver nenhum sintoma. Primeiro ocorre o acúmulo de gordura nos hepatócitos (células do fígado), que pode ficar estável por vários anos, silenciosamente, com no máximo algum desconforto no lado direito do abdômen, fadiga, indisposição e náusea. Ao longo do tempo, entretanto, o acúmulo excessivo de gordura pode levar à inflamação, chamada de esteatoepatite, que pode evoluir para fibrose (cicatrização), cirrose (falência do fígado) e até para uma das formas de câncer de fígado (carcinoma hepatocelular).

Justamente por não causar sintomas, na maioria dos casos o diagnóstico é feito através da identificação dos fatores de risco e da realização de exames de sangue e de imagem (geralmente ultrassonografia de abdômen), juntamente com a pesquisa de outras doenças que possam estar acontecendo ao mesmo tempo, como doenças metabólicas e infecções do fígado (como as hepatites virais).

Mas o que leva ao acúmulo de gordura no fígado?

As causas e mecanismos que levam ao acúmulo de gordura no fígado ainda não são completamente compreendidos, e muito se tem avançado nessa área, mas podemos resumir o que se entende até o momento nos seguintes fatores:

– Consumo de álcool (o álcool é mais calórico do que o açúcar, altera o funcionamento das enzimas do metabolismo das gorduras e tem efeitos tóxicos diretos para as células do fígado)

– Sobrepeso / Obesidade (embora nem todos os obesos desenvolvam acúmulo de gordura no fígado, e até 15% das pessoas com gordura no fígado não estão  acima do peso)

– Aumento das gorduras no sangue (Triglicérides e/ou Colesterol)

Diabetes mellitus e outras formas de resistência à insulina

– Hipertensão arterial

– Sedentarismo

– Uso de alguns medicamentos (corticoides, tamoxifeno, quimioterápicos), toxinas e hormônios (como anabolizantes)

– Predisposição genética

– Alterações da microbiota (bactérias) do intestino, que interagem com os alimentos que consumimos, influenciando a forma como nutrientes e toxinas são produzidos, digeridos, absorvidos e eliminados, favorecendo ou não a ocorrência de processos inflamatórios tóxicos em nosso organismo.

Veja que todos esses mecanismos tem muito a ver com nossos hábitos de vida, e a boa notícia é que é possível reverter esse quadro e eliminar a gordura do fígado através de nossas escolhas diárias.

A base do tratamento da esteatose hepática é justamente a mudança do estilo de vida, corrigindo as causas que levaram ao acúmulo da gordura e com uso de medicamentos quando necessário (emobora não exista ainda medicamentos muito eficazes para isso). O gratificante é que o fígado tem uma excelente capacidade de regeneração!  Mas, importante, essa capacidade de regeneração tem limites, e, quanto antes iniciadas as mudanças, maiores as chances de reversão. Infelizmente, quando o processo de fibrose já está avançado, tendo evoluído para cirrose, a regeneração pode não ser mais capaz de restaurar o funcionamento das células do fígado, podendo chegar ao ponto de ser necessário o transplante de fígado.

Para eliminar a gordura do fígado:

  • Escolha a sua bebida:  use e abuse da água, pura ou flavorizada, ao invés de álcool e de bebidas açucaradas (sucos de caixinha, sucos de pozinho e refrigerantes)
  • Escolha seus alimentos: adote uma alimentação balanceada e rica em alimentos naturais, cheios de vitaminas, fibras e anti-oxidantes
  • Escolha o seu movimento: caminhada, dança, corrida, natação, esportes, jardinagem. Não importa qual, o importante é se movimentar e combater o sedentarismo. Além de “queimar a gordura”, a atividade física tem um alto poder anti-inflamatório e regenerativo
  •  Escolha seu modo saudável de desestressar, ao invés de “descontar” no álcool e no fast food
  • Escolha suas horas de sono: dormir bem auxilia no controle e manutenção do peso, combate o estresse e auxilia nos processos detoxificantes e restauradores do corpo
  • Escolha bons profissionais de saúde para o acompanhamento com exames, direcionamento e monitoramento do tratamento. Mas lembre-se que VOCÊ é o protagonista dessa história! Vire o jogo! Seu fígado vai agradecer e fazer muito em troca por você!

Referências:

https://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2369-esteatose-hepatica

https://sbhepatologia.org.br/imprensa/esteatose-hepatica
Consenso da Sociedade Brasileira de Hepatologia sobre Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica

Dra. Ellen D. A. Lessa

Médica Clínica e Geriatra, Certificada em Medicina do Estilo de Vida pelo IBLM / CBMEV Instagram @dra.ellen.lessa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *